young woman bowing her head in a field.

Artigo Premiado: Confiar no Senhor durante tempos de ansiedade e depressão

Quando a depressão parece estar assolando sua vida, a fé pode fazer com que nossas provações valem a pena.

" ""Somos como bebês quanto ao entendimento de assuntos eternos e do impacto que nos causam aqui na mortalidade."" — Richard G. Scott"

Eu podia ver a simpatia nos olhos da médica quando ela me explicou: “É comum que a medicação não só aumente seus sintomas de ansiedade e depressão, mas também impeça a eficácia do seu antidepressivo.”

Eu assenti com a cabeça e me concentrei em certificar-me de que os cantos da minha boca estavam curvados muito ligeiramente e meus olhos estavam um pouco mais abertos do que o normal. Não queria que minha miséria se mostrasse, e eu queria deixá-la saber que eu estava ouvindo.

“Você vai ter que aumentar ou a dosagem ou as vitaminas. De qualquer forma, sinto muito que você está passando por isso.”

“Tudo bem,” eu disse por hábito, mas meu coração estava batendo rapidamente e minha mente estava a mil. Não estava tudo bem. Meu cérebro estava hiperativo.

Eu tomei os 10 comprimidos que ela colocou na minha frente e desejei-a um bom dia. Lançando minha mochila no meu ombro, eu deixei o consultório cheia de frustração e desesperança. Não sabia o que fazer neste momento.

Eu tinha lidado com minha depressão e ansiedade incapacitantes desde que tinha sete anos de idade, até que eu finalmente me humilhei suficientemente para procurar ajuda. Depois que eu tomei essa decisão, minha vida mudou completamente. Eu me encontrei realmente aproveitando a vida e me sentindo muito feliz. Eu podia lidar com provações com uma atitude melhor e com nova confiança. Tive uma sensação contínua de paz na minha vida que eu sabia que tinha vindo não só da ajuda que eu tinha recebido, mas também da expiação do Salvador.

Quando voltei para casa depois de servir missão, eu fiz os exames de saúde recomendados para certificar-me de que não tinha tuberculose. Não pensei muito nisso quando picaram meu braço e me disse que eu deveria retornar em 48 horas. Então, fiquei surpresa quando o exame deu positivo.

Não entrei em pânico. Na verdade, quase pensei que era engraçado. Quem fica com tuberculose depois de servir em Nova York? Quais são as chances? E então, comecei a tomar o remédio por 11 semanas para tratar a tuberculose, que consistia de uma vitamina diária e uma viagem semanal para o médico para tomar 10 comprimidos de uma só vez.

Claro, foi tedioso, mas pensei que seria bastante simples. Mais uma vez, fiquei chocada quando acordei uma manhã com todos os sintomas de ansiedade e depressão que eu tinha tratado anteriormente por muitos anos.

Eu vivi cada dia preocupando-me com o que os outros pensavam de mim, chegando atrasada na escola e não cuidando de mim mesma. Eu me sentia cansada quando trabalhava em qualquer coisa, mas ao mesmo tempo, sentia-me frustrada por não poder fazer o que eu precisava fazer.

Alguns dias depois, perguntei ao médico se era o medicamento para tuberculose que estava fazendo isso comigo. Eu não sabia como obter a resposta iria me ajudar, mas de alguma forma eu pensei que ajudaria. Em vez disso, me deixou mais frustrada e confusa.

Eu dirigi para casa e deitei-me na minha cama. Novamente meus olhos encheram-se de lágrimas. Vivi muitos anos da minha vida em tal tormento —por que isso estava acontecendo de novo? O que precisava aprender que não tinha aprendido antes?

Eu tinha que me manter ocupada. Com as mãos tremendo e os pensamentos correndo, abri meu notebook e abri a tarefa para minha aula de religião: “Confia no Senhor,” dada por Élder Richard G. Scott na conferência geral de outubro de 1995.

Imediatamente o Senhor respondeu a minha oração. Quase consegui ouvir a voz de Élder Scott ao ler o segundo parágrafo. “Ninguém deseja infortúnios. As provações, decepções, tristeza e pesar são provenientes de duas fontes diferentes. Aqueles que transgridem as leis de Deus sempre enfrentarão esses desafios. A outra razão para a adversidade é o cumprimento dos desígnos de Deus em nossa vida a fim de que nos purifiquemos com a provação. É de importância vital que cada um de nós identifique a fonte dessas provações e desafios, uma vez que a medida corretiva a ser tomada varia muito.”

A paz encheu meu coração enquanto eu mantive meus olhos colados ao artigo. Ao ler estas palavras, me lembrei do quanto o Senhor me amava. Quão longe na linha do tempo da minha vida Ele foi para garantir que li este artigo exatamente quando eu precisava? Quantas pessoas Ele tinha inspirado para certificar-se de que estas palavras chegariam a mim numa hora de necessidade desesperada?

Eu continuei lendo: “Quando tudo parece estar indo bem, desafios diferentes freqüentemente aparecem ao mesmo tempo e em doses múltiplas. Quando os problemas são conseqüência de desobediência, eles evidenciam que o Senhor sente que estamos preparados para crescer…. Tirar-nos de onde estamos e levar-nos para onde Ele deseja que estejamos exige muito esforço causando, geralmente, dor e desconforto.”

Minha ansiedade não tinha desaparecido completamente ao final do artigo. Mas esperança encheu meu coração. Eu sabia que o Senhor tinha um plano para mim. Embora talvez não tenha entendido por que eu parecia estar repetindo um julgamento, eu sabia que o Senhor desejava que eu cresceria mais e que este julgamento me ajudaria a crescer da forma que Ele precisava.

Um sorriso verdadeiro espalhou por todo meu rosto quando me ajoelhei na minha cama e agradecei ao Senhor por fornecer uma maneira para eu ler este artigo. Meu coração encheu-se de puro amor por meu Pai Celestial e Jesus Cristo, e me lembrei novamente do quanto o Pai Celestial esta envolvido na vida de todos.

Leia o discurso de Élder Richard G. Scott sobre provações e adversidade.

Fonte: lds.org/br
—Camilla Stimpson de Draper, Utah

Este artigo foi selecionado como um dos três vencedores na Submissão de Artigos de outubro de 2015 para Mormon Insights. O trabalho é original e é uma história verdadeira da vida do autor. Agradecemos por sua contribuição e encorajamos autores interessados a procurar outra Submissão de Artigos no começo de 2016.

Traduzido por Marisa Hart, Mormon Insights

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *